domingo, 15 de julho de 2018


Para refletir: O STF vai sepultar a Lava Jato e enterrar o juiz Sérgio Moro. Quewm viver verá.

A política matou meus sonhos
Política deve ser discutida e tem que ser discutida, mas em nível recomendável e respeitoso. A “paixão” política até pode ser admitida, mas jamais levada ao ódio, que tira toda a sua virtude. Estudei muito política, fiz sacrifícios e sacrifiquei minha família, quase dois anos fora fazendo meu curso na Universidade de Brasília (UnB). Tive os melhores mestres entre brasileiros e alguns estrangeiros. Ao ser diplomado em 1989 ainda sonhava com o quanto poderia colaborar com a ciência, com meu estado, com meu país. Fui aos poucos me desencantando até que vi esse sonho morrer. Fui um tolo, me especializei em Relações Executivo - Legislativo (pasmem). Não serviu para nada. A própria política matou meus sonhos. ( texto originalmente publicado em minhas redes sociais).
Rui Palmeira, o melhor

Prefeito de Maceió - Rui Palmeira
Não me surpreendo com o prefeito Rui Palmeira porque o conheço desde menino, praticamente o vi nascer. Tenho uma relação de irmandade com seus pais. O acompanho a cada eleição que participou. A primeira vez votei pelo carinho, pela certeza de um bom politico de origem e formação. Dai por diante valeu sua competência, seriedade e compromisso com o interesse público. Não se apega ao poder. Deu um exemplo de grandeza  ao abrir mão de uma candidatura ao governo, com amplas chances de vitória e optando permanecer administrando Maceió. Decidiu que não era seu tempo e esse tempo é ele que faz, jamais seria pautado por outros interesses ou pela vaidade nem sempre responsável de muitos. Tem planos grandes e realizáveis para implantar na capital, precisa sim, sacudir a sua jovem equipe e destravar setores da administração que atrapalham mais do que ajudam. Por fim peço para anotar: ao final de seu mandato será um dos maiores prefeitos da história de Maceió

Nove patetas e a “vingança”
Em abril deste ano o juiz Sérgio Moro barrou a visita de nove governadores ao ex-presidente Lula, preso político na carceragem da Polícia Federal de Curitiba, acusado e condenado por vários crimes de corrupção.
Naquela ocasião a “presidenta” nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, que acompanhou a comitiva até a PF, protestou contra a proibição do magistrado. “Infelizmente, infelizmente, não conseguimos, pois teve uma decisão judicial que contraria a lei”, disse.
O governador do Maranhão e ex-juiz federal, Flávio Dino (PCdoB) ensinou que “entre as regras da carceragem e a Lei de Execução Penal, todos sabemos que a lei tem primazia. E o artigo 41 da lei diz que o preso tem direito a visita do cônjuge, da companheira, de parentes e amigos”.
Sem poder visitá-lo, a comitiva deixou uma carta para o ex-presidente Lula.
Além de Flávio Dino e Gleisi, compareceram à superintendência os governadores Camilo Santana (Ceará), Renan Filho (Alagoas), Ricardo Coutinho (Paraíba), Rui Costa (Bahia), Tião Viana (Acre), Paulo Câmara (Pernambuco), Valdez Gois (Amapá) e Wellington Dias (Piauí), bem como os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ) e Roberto Requião (MDB-PR).
Expostos a um vexame nacional voltaram “com os rabos entre as pernas” para seus estados.
Agora quando do conturbado episódio do “prende e solta do ex-presidente” os mesmos governadores, que guardaram imensa mágoa do juiz chefe da Operação Lava Jato, por tê-los expostos ao ridículo nacional, voltam pateticamente à cena com uma nota oficial pífia, tendenciosa e ridícula na qual condenam o comportamento de Sergio Moro de barrar o cumprimento da decisão do desembargador Rogério Favreto, superior hierarquicamente a ele, para soltar o ex-presidente acusando ainda o Judiciário de “agir parcialmente”.
Afronta ao povo
A descabida nota de solidariedade ao ex-presidente condenado por corrupção, em segunda instancia , mostra claramente a tendenciosa intenção e o despreparo de quem a redigiu e de quem a assinou. Vejamos alguns trechos:
Na manhã de hoje, o povo brasileiro recebia a auspiciosa noticia da libertação do Presidente Lula. O Desembargador competente para apreciar liminares durante o plantão reconduzia o Brasil à senda da legalidade democrática e respondia às aspirações nacionais de reconstitucionalização do país”.
“Lula, como todos os brasileiros, não pode ser beneficiado por privilégios ilegais. Mas também não pode ser perseguido, como evidentemente tem sido.
Apenas a aplicação imparcial das leis que dispõem sobre a liberdade e as condições de elegibilidade podem dar lugar a eleições legitimas em 2018”.
A meu ver se solidarizar com um presidiário condenado e cumprindo pena em razão de crimes de corrupção contra o erário brasileiro é também se aliar e defender aos crimes por ele cometido.
Alguns desses governadores estão concorrendo a reeleição e correm o risco previsível de que os eleitores  os identifiquem como aliados das condenáveis práticas politicas que destruíram a dignidade brasileira.
As agruras de Rogério
O prefeito de Arapiraca tinha tudo para fazer uma boa administração e dar mais um salto na sua escalada política, inclusive com reflexos nas eleições deste ano. Chegou acreditado e representando a esperança do povo, mesmo os que nele não votaram, em dias de resultados positivos para o maior município do interior alagoano.
Não demorou pra começar a decepcionar. “Enfiou os pés pelas mãos”, como diz o matuto, se “encastelou”, rompeu com aliados importantes para sua eleição e preferiu, pela arrogância ou despreparo desfilar no “bloco do eu sozinho”.
Hoje não apenas as importantes forças politicas da região estão contra o prefeito de Arapiraca, mas essa insatisfação ganha as ruas e toma conta da opinião pública. Pode estar cavando a sua própria sepultura politica.
Não apenas eleição
O deputado Severino Pessoa, hoje a maior força eleitoral de Arapiraca, está em plenas articulações para fortalecer seu grupo. Buscará um mandato na Câmara Federal e monta palanque para mostrar competitivas candidaturas do seu entorno para a Assembleia Legislativa.
Mas não cuida apenas de eleições. Também aposta em um processo de impedimento do prefeito, alvo de investigações por denuncias de improbidade. Sua mulher, Fabiana Pessoa, atual vice-prefeita assumiria o comando da administração municipal.
Renan e Mauricio
Com a saída do ex-ministro Marx Beltrão do páreo, após resistência direta e explícita, muda o quadro na disputa para o Senado Federal. Cresce a candidatura do deputado Mauricio Quintella, que está entre os primeiros avaliados na capital e interior. Bem articulado, com o maior volume de benefícios para os municípios entre a bancada alagoana em Brasília, colhe frutos importantes e segue em frente na busca pelo mandato de senador. Enquanto isso vai deixando para trás o senador Benedito de Lira e o novato Rodrigo Cunha (ambos estacionaram nas avaliações ) . É possível que já nas próximas pesquisas seja acentuado o distanciamento do hoje imbatível Renan Calheiros e de Mauricio Quintella rumo à vitória eleitoral.

 Coluna publicada no JORNAL EXTRA - JORNAL TRIBUNA DO SERTÃO - SITE PAINEL POLÍTICO.

domingo, 8 de julho de 2018


Para refletir: Os políticos não conhecem nem o ódio, nem o amor. São conduzidos pelo interesse e não pelo sentimento. (Philip Chesterfield).



As lições de Tocantins
(BRASÍLIA) - Quase metade dos eleitores do Tocantins não quis escolher quem seria o governador do Estado no pleito realizado no dia 24 de Junho. A eleição suplementar foi convocada depois que o ex-governador Marcelo Miranda (MDB) e sua vice, Cláudia Lelis (PV), tiveram o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral em 22 de março deste ano por arrecadação ilícita de recursos em 2014. Terminada a apuração, por volta das 21h, emergiram das urnas 137.537 votos brancos e nulos (19% do total). Somados às abstenções, que foram de 30%, quase 50% dos tocantinenses aptos a votar optaram por ignorar os candidatos.
Para especialistas, o resultado da eleição é um sinal da crise de representatividade pela qual passa a democracia brasileira, e cujos sinais já podem ser sentidos para além do Tocantins. O diretor do Instituto Datafolha, Mauro Paulino, afirma que os resultados das eleições no Estado confirmam uma tendência que nós já estamos captando a alguns anos, que é o aumento do eleitor que não se sente representado nem pelos partidos nem pela oferta de candidatos nas eleições.
De acordo com ele, esta crise de representatividade vem desde junho de 2013, quando ocorreram os protestos contra o aumento das passagens em São Paulo e que se ampliaram para um descontentamento geral com a classe política. “Atualmente quando fazemos pesquisa para intenção de voto para a presidência da República, encontramos taxas recordes de brancos e nulos, além de um número grande de eleitores sem candidato. É um reflexo do momento que o país atravessa, há um desalento e desesperança do eleitor muito forte”, diz Paulino.
O impacto desta desilusão dos brasileiros com o sistema político já é perceptível também na corrida rumo ao Planalto. O índice de brancos e nulos atualmente varia entre 18% e 30% do eleitorado, segundo a pesquisa CNT/MDA divulgada em 14 de maio. Os maiores índices são nos cenários sem o ex-presidente Lula, preso na superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde abril deste ano. Isso expõe mais uma faceta da crise de representatividade que o país atravessa: o líder de intenções de voto até o momento deve não disputar a eleição. Com a saída do Lula a principal característica que o eleitorado apresenta é o aumento da taxa de brancos e nulos, que chega a 30%, maior que os 20% do Bolsonaro que assumiria a liderança nas pesquisas.
O exemplo de Alagoas
Especialistas em política acreditam que o fato de Tocantins se repetirá em todos os estados nas eleições de Outubro, pelos mesmos motivos: a descrença do eleitor na classe política que se desgasta a cada eleição pelos mesmos motivos: corrupção desenfreada, não cumprimento das promessas feitas em campanha e má gestão.
Aqui em Alagoas não será diferente e pode até alcançar um dos maiores índices por motivos óbvios. Somos “representados” por uma classe política deteriorada ao longo dos anos por condutas marginais, possuímos uma Assembleia Legislativa mergulhada em denúncias de roubo explicito do dinheiro público, processada pelo Ministério Público e salva pela complacência de um Poder Judiciário com perfil assemelhado.
Quando se fala da bancada federal (deputados e senadores) é um filme de terror. A começar pelo campeão de processos por corrupção , senador Renan Calheiros, seguido de outros colegas que em nada dignificam os cargos que ocupam.
Há no ar sombrio das eleições um silêncio que pode ser rompido pelo voto indignado e de protesto de milhares de eleitores que darão seus gritos de BASTA!  Será?
Pode ser o novo
 No contraponto às candidaturas carcomidas, viciadas e rejeitadas, surgem aqui e acolá algo de novo que pode surpreender ao abrir das urnas. E não se trata apenas de “candidatos novos”, mas pelo menos diferentes dos “putrefatos”. O eleitor tende a buscar e analisar o passado dos candidatos execrando os “fichas sujas” e até reelegendo aqueles que julgam menos ruins. Alguns que se julgam eleitos, quer pela força do dinheiro, do poder e dos currais, poderão assistir com desalento o “estouro da boiada” e o brado de revolta do povo ecoar, ao anunciar o resultado fatídico das urnas.
Por falar em novo
Pobre e equivocado Partido Novo (que nada tem de novo) vai sofrer uma tremenda decepção ao contar os seus minguados votos e naturalmente se recolher ou até acabar, quem sabe, como ocorrerá com outros nanicos. O partido que tem como presidente João Dionísio Amoêdo, adota posições aparentemente republicanas, mas no fundo ainda deixa muitas dúvidas de suas linhas programáticas. Diz que não aceita o dinheiro do Fundo Partidário, mas até agora não devolveu o que recebeu, alegando problemas burocráticos. Não deverá eleger ninguém.
Temos bons nomes
A crise e o descrédito politico eleitoral deverão ajudar alguns postulantes aos votos da eleição de outubro. São candidatos com lastro de serviços prestados aos alagoanos, com passado de representatividade e sem manchas em seus currículos, a exemplo para citar alguns, Emmanuel Fortes, Álvaro Vasconcelos, Omar Coelho, Eduardo Tavares e a grande campeã do voto de qualidade, Heloisa Helena. Além dos votos de cada um existe a tendência de que o eleitorado mais consciente conduza sua intensão para pessoas que representem mudança moral na política.
Cadê a oposição?
O tempo passa depressa a caminho das eleições e por enquanto o governador Renan Filho caminha para um “passeio eleitoral” absolutamente vitorioso e ganharia até sem fazer campanha. Com a desistência da candidatura do único nome capaz de derrotar o governador, prefeito Rui Palmeira (por justa. compreensível e equilibrada decisão) e a saída do deputado Mauricio Quintella, a oposição caiu na orfandade e ao que parece sucumbiu à mínima chance de apresentar um nome com densidade pelo menos para disputar. Já não há mais tempo, não existem nomes e as eleições para o governo serão em “walkover”, o popular WO.
José Alfredo
De São Paulo, onde está internado no Hospital Sírio Libanês, recebi uma mensagem gravada em vídeo do amigo conselheiro aposentado do TCE, José Alfredo de Mendonça. Nela me faz um apelo dramático em defesa da desembargadora Elizabeth Carvalho que sofre uma inversão da verdade quando cumprindo estritamente a lei e o senso humanitário, tomou uma decisão acertada. Disse-me ele: “Estou aqui num hospital de primeiro mundo, sendo bem tratado e com a assistência familiar que desejo, curando duas bactérias contraídas ai em Maceió. Devo minha vida a desembargadora Elizabeth Carvalho”. José Alfredo é um homem integro, o conheço há pelo menos quarenta anos e mereceu essa decisão humanitária da magistrada. Ao seu lado está sua companheira dedicada Nadejane Madeiro, (filha de minha saudosa amiga Marly Madeiro, colega de Tribunal de Contas), cuidando de sua saúde e de se espírito.
Balcão de negócios
Alguns vereadores de Palmeira dos Índios, terra pródiga em políticos ruins, desejam transformar a Câmara Municipal em um verdadeiro “balcão de negócios”. Aprovação de leis inconstitucionais, nepotismo e empreguismo imoral, são alguns dos itens na pauta do legislativo palmeirense.
O prefeito Júlio Cezar tem resistido à duras penas, com riscos de danos a sua administração de resultados implantada desde a sua posse. É uma lástima essa nociva política de alianças que fere de morte o patrimônio moral da administração publica brasileira, em grande e pequena escalas administrativas. Resistir..até quando?

domingo, 1 de outubro de 2017

Para refletir: Renan Calheiros e Romero Jucá, eleitos os campeões nacionais da propina. Fazem inveja à Geddel das malas.



Brasília e suas denúncias crônicas
(BRASÍLIA) – Aos leitores. A coluna esta semana foi feita inteiramente em Brasília onde estive a trabalho e acompanhando no Senado, na Câmara e no Palácio do Planalto a efervescência da pauta política que teve uma agitação de altas proporções, dentro e fora dos núcleos oficiais  dos poderes e muitas reuniões de bastidores.
O fato de maior destaque foi a leitura do relatório de denúncias da Procuradoria Geral da República, contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco. Foram mais de seis horas gastas com a apresentação do relatório, um texto longo, repetitivo e que não apresentou muitas novidades além daquilo já noticiado nas delações dos diversos bandidos tentando salvar a pele com a acusações escabrosas, muitas mentiras , muitas verdades atingindo uma quadrilha composto por um elevado número de parlamentares. A denúncia contra Temer e seus dois ministros mostrou muito mais o envolvimento das cúpulas partidárias desonestas, do que novos fatos contra os principais denunciados.
Renan Calheiros e Romero Jucá
Campeões das propinas
Assisti a leitura de todo o relatório (com alguns cochilos pela chatice do desnecessário volume de páginas), pela deputada Mariana Carvalho (PSDB/RO) e em alguns momentos pelo deputado alagoano JHCaldas , que se desincumbiu bem da missão. Entre os jornalistas presentes um fato chamou a atenção e provocou muitos comentários: os senadores Renan Calheiros e Romero Jucá foram os nomes mais citados como supostos recebedores de propinas milionárias das redes de corrupção. Talvez mais citados do que os principais alvos da denúncia. Alguém em tom de ilustração dizia :“São os reis da propina na política brasileira. As malas de Geddel são uns trocados. Resta descobrir onde estão enterrados os “tesouros”.
Renan pai e Renan Filho, em outras denúncias
Alguém lembrou da também a fase da Operação Lava Jato, deflagrada , quando teve como alvo pessoas ligadas ao Senador Renan Calheiros e ao seu filho, Renan Calheiros Filho, governador de Alagoas. Agentes da Polícia Federal estiveram em Maceió, para cumprir dois mandados de busca e apreensão.
A operação foi autorizada pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Edson Fachin que atendeu um pedido da Procuradoria Geral da República. A operação foi denominada de “Satélite”, devido a pessoas ligadas aos investigados.
Segundo matéria veiculada no Jornal Nacional, o Senador Renan Calheiros estaria sendo investigado devido ao recebimento de propina no valor de R$ 500 mil. Já o governador Renan Filho, teria recebido uma propina de mais de R$ 800 mil. Segundo denuncia do jornal, as propinas foram pagas através da obra do Canal do Sertão, pagas pela empresa Odebrecht, para serem usadas nas eleições.
PT em defesa de Aécio
Tudo pode acontecer na política brasileira e muito mais. O Partidos dos Trabalhadores (PT) condenou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de afastar o senador Aécio Neves (PSDB-MG) do mandato e determinar seu recolhimento no período noturno. Em nota a legenda chamou a decisão de “esdrúxula” e incitou o Senado a reagir. “Uma condenação esdrúxula, sem previsão constitucional, que não pode ser aceita por um poder soberano como é o Senado Federal”, destaca.
Apesar de fazer a defesa do tucano, a maior parte do texto é dedicada a ataques ao senador. “Por seu comportamento hipócrita, por seu falso moralismo, Aécio Neves merece e recebe o desprezo do povo brasileiro”, diz trecho do documento, que também ressalta: “Aécio Neves defronta-se hoje com o monstro que ajudou a criar. Não tem autoridade moral para colocar-se na posição de vítima”.
Planalto quer pressa
O presidente Michel Temer voltou a discutir, após a leitura da denúncia na Câmara dos Deputados, durante uma reunião no Palácio do Jaburu, uma estratégia para acelerar a votação da segunda denúncia.
O assunto foi discutido com os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretário-Geral) e os líderes André Moura (Congresso) e Aguinaldo Ribeiro (Câmara) na residência oficial do presidente. 
Na reunião, o presidente voltou a considerar a estratégia de antecipar a entrega de sua defesa à Câmara antes do dia 6 de outubro.
Temer tem o prazo de 10 sessões para entregar sua defesa a respeito da denúncia por organização criminosa e obstrução de Justiça. Mas o presidente não pretende usar todo o prazo.
Segundo aliados, o presidente ainda não bateu o martelo: aguarda uma reunião  com seus advogados para tomar uma decisão.
Senado vai confrontar STF
Para a maioria dos grandes juristas e especialistas o Supremo Tribunal errou feio na decisão considerada esdruxula em manter o senador Aécio Neves em “prisão domiciliar”. Os ministros deram uma tremenda pisada de bola e terão que concertar ou “engolir” que o próprio Senado faça a correção, confrontando a decisão.
O Senado já de sinais que pode desobedecer a decisão do Supremo Tribunal Federal e não permitir o afastamento do senador Aécio Neves. Pelo menos até o fechamento desta coluna a decisão estava bem encaminhada e aprovada pela maioria das lideranças, restando apenas a formalização de um parecer jurídico pela consultoria da Mesa para a medida ser adotada.
O próprio ministro Marco Aurélio Mello, relator do inquérito que resultou no afastamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG) de suas atividades parlamentares, disse hoje (27) acreditar que o Senado tem margem para reverter a decisão tomada.
O ministro ressalvou não estar incitando a rebeldia do Senado, mas disse que em seu próprio voto deixou clara sua interpretação de que é preciso autorização dos pares para que se imponha medidas cautelares contra um senador. "Se ele [Senado] pode mais, que é rever até uma prisão, o que dirá a suspensão do exercício do mandato", afirmou.
Um dos que votaram pelo afastamento e pela reclusão noturna, o ministro Luiz Fux descartou a possiblidade de que o Senado possa reverter decisões do STF. "Não, o STF já decidiu questões semelhantes de afastamento, já decidiu até questão de prisão de um parlamentar. Em ambas as ocasiões o Senado cumpriu a decisão do STF, que é o que se espera que ocorra", disse o ministro.
Ao que parece vai ter briga. E das boas, na próxima semana.

Conta Gotas

AOS POUCOS o deputado JHCaldas vai se tornando peça fundamental no xadrez político para 2018. Mostra competência.

NINGUÉM está se entendendo no PDT local. Pelo menos quanto ao rumo que o partido deve tomar. São as conveniências, as perdas e os ganhos. Não deveria ser assim.

A REGIÃO NORTE deverá eleger uma jovem de perfil empreendedor para a Assembleia Legislativa. Tem destino e vocação para a política. Anote o nome: Cibele Moura.


Coluna Publicada no Jornal Extra / Jornal Tribuna de Alagoas / Jornal Tribuna Alagoana. Sites: Painel Notícias / Tribuna do Sertão / Tribuna do Agreste / Resumo Político / Alagoas Real / Tribuna União / Primeiro Momento.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Para refletir “Todo homem que se vende recebe mais do que vale” (Barão de Itararé).

O caminho da Uncisal
Professor Henrique Costa o favorito da Uncisal
Na próxima quarta feira, dia 13, a Uncisal – Universidade de Ciências da Saúde estará realizando em segundo turno a eleição para escolha de seu novo reitor que vai substituir a atual reitora, professora Rosângela Wyszomirska, na alta cúpula da importante e tradicional instituição de ensino superior na área médica alagoana. A reitora atual vive um péssimo momento de sua trajetória na administração pública. Recentemente foi conduzida coercitivamente pela Polícia Federal, sob suspeita de desvios de milhões dos cofres da Secretaria Estadual da Saúde, da qual era titular. O governador do estado e o governo como um todo nada disseram em sua defesa, pelo contrário, indiretamente jogaram a culpa na execrada auxiliar, que tem se mantido leal e nada revelou sobre os atos criminosos cometidos contra o dinheiro da saúde, dos remédios dos hospitais e da vida de milhares de pessoas que precisam de atendimento e não encontram, diante do estado deplorável em que este governo transformou o setor. A reitora apresentou uma candidata à sua sucessão e essa naturalmente se “contaminou” com as graves acusações e por pouco não é derrotada no primeiro turno. Vai para a segunda disputa ainda mais fragilizada, diante de um candidato que representa o antagonismo da atual gestão  da Universidade. A chapa favorita e que deve vencer a disputa, com uma grande vantagem, é liderada pelo professor Henrique Costa, tendo como vice a professora Ilka Soares. Uma dupla de docentes respeitados pela ética e pela capacidade de realizar as transformações que há muito tempo clamam alunos, professores e pessoal administrativo, numa crescente insatisfação com os rumos que tomou a administração. O professor Henrique Costa é conhecido por suas ideias transformadoras e voltadas para a valorização dos servidores, que precisam ser incentivados e reconhecidos, a qualidade do ensino para dar uma formação digna e abrangente e a qualificação dos professores. Pesa a seu favor também, sua posição contrária a qualquer política de privatização de hospitais e terceirização dos serviços fins da área de saúde.

Conheci a instituição em 1981, ainda Escola de Ciências Médicas, quando ocupei uma vaga no seu Conselho de Administração, na companhia de renomados mestres como Delza Ghitai (reitora da UFAL), Alberto Cardoso, Pedro Teixeira. Sempre foi uma entidade respeitada e “construtora” da memória cientifica de Alagoas. Com o tempo cresceu e se transformou em Universidade, mas o próprio tempo tratou de destruir muito desse conceito.
Surge agora a esperança de que  esse tempo seja retomado, para uma efetiva reconstrução de um dos maiores patrimônios da educação superior de Alagoas.  

Maceió iluminada
Frederico Lins um bom trabalho no comando da SIMA
A iluminação da capital deu um salto de qualidade nos últimos tempos. A administração tem cuidado não apenas dos corredores turísticos, dos principais logradouros, mas também e com todo cuidado de bairros periféricos regiões mais afastadas e até nas grotas da cidade. Essas ações são boas não apenas para embelezar e iluminar mais as ruas, praças e avenidas, mas também no sentido de oferecer melhores condições de segurança à população. No comando dessa nova frente de iluminação o talento e liderança do jovem empresário Frederico Lins, presidente da SIMA (Superintendência municipal de Energia e Iluminação Pública). Vêm mais ações por ai.
Em defesa do Judiciário
(BRASÍLIA) – Aqui em Brasília assisti ao contundente discurso da abertura da Reunião Preparatória para o XI Encontro Nacional do Poder Judiciário, o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse esta semana que há movimentos que procuram enfraquecer a figura do juiz e que só o Poder Judiciário pode levar o Brasil a um porto seguro.
“Que nós estejamos atentos para atos de grandeza. Mas também muito atentos para movimentos recentes que procuram minimizar, enfraquecer a figura do juiz, a instituição do Poder Judiciário. Há várias estratégias para se chegar a esse ponto”, discursou Fux, sendo interrompido por aplausos do público, que lotou um auditório do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), palco do evento organizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).
“De sorte, que a primeira reação é através de atos de grandeza, sem dúvida alguma. E a segunda é termos a consciência de que a situação que está aí leva o Brasil ao naufrágio e só o Poder Judiciário pode levar a nossa nação a um porto seguro”, completou o ministro.
Pelo menos a plateia presente ao evento não só aplaudiu muito o ministro mas literalmente o cercou para cumprimentar após sua fala. Presentes, magistrados, empresários, professores da área de direito e poucos jornalistas.
O terror dos pequenos partidos
(BRASÍLIA) - O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou depois de muita discussão o texto principal da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 282/16, do Senado, que veda coligações para eleições proporcionais e cria uma cláusula de desempenho para o acesso de partidos ao Fundo Partidário e ao tempo de propaganda em rádio e TV. A proposta, relatada pela deputada Shéridan (PSDB-RR), teve 384 votos favoráveis e 16 votos contrários, em votação em primeiro turno.
O presidente interino da Câmara, deputado André Fufuca, comemorou o avanço de parte da reforma política, depois de semanas de impasse. “Independentemente do resultado que nós iremos ver ao abrir as urnas, esta Casa é vencedora. Esta Casa não se furtou a ser pai da sua própria decisão, a ser pai do seu próprio destino”, disse.
A votação foi realizada depois de um acordo de procedimento feito entre os líderes dos principais partidos. Pelo acordo, a análise da proposta só será retomada depois que os deputados decidirem sobre outra PEC da reforma política: a PEC 77/03, relatada pelo deputado Vicente Cândido (PT-SP), que altera o sistema para eleição de deputados e vereadores e cria um fundo público para o financiamento das eleições.
Próximas etapas
O líder do PP, deputado Arthur Lira (AL), explicou que a ideia é votar a PEC 77 (sistema eleitoral) em primeiro e segundo turnos na semana que vem e, depois, os destaques à PEC 282 (coligações e cláusula de desempenho).
Já o líder da Minoria, deputado José Guimarães (PT-CE), ressaltou que o acordo entre os partidos trata apenas do rito de votação. “O acordo foi feito preservando as posições políticas de cada partido. Não se fez acordo sobre o mérito, por exemplo, do sistema eleitoral: são posições bastante antagônicas que vão se apresentar na próxima terça-feira”, disse.
Legendas de aluguel
A discussão sobre a proposta de vedação às coligações nas eleições proporcionais e regras de desempenho para acesso ao tempo de rádio de televisão, no entanto, evidenciou as discordâncias sobre o texto. Embora os deputados que discursaram em Plenário tenham ressaltado a necessidade de diminuir a fragmentação partidária e enxugar a quantidade de partidos, não houve acordo sobre a fórmula ideal.
Para o líder do Psol, deputado Glauber Braga (RJ), é possível acabar com as chamadas “legendas de aluguel” sem prejudicar pequenos partidos ideológicos com a cláusula de desempenho proposta. “Se tem partido pequeno não ideológico que se vende é porque tem partido grande que compra. Nós defendemos partidos programáticos e ideológicos, que sejam escolhidos por aquilo que eles representam”, disse. ( com informações de Agência Câmara)
Conta Gotas
BOMBA de efeito retardado plantada na Previdência Estadual. Ao explodir o efeito será devastador.

O PREFEITO RUI PALMEIRA começa a dar sinais que se “o cavalo passar selado ele monta” - De uma velha raposa política que completa: Ai é só caminhar para o abraço e comemorar a vitória.

PALMEIRA DOS INDIOS esquentando os tambores da aldeia rumo a  sua Festa Literária em outubro. Curadoria de Carlito Lima.



Coluna publicada no Jornal Extra, Jornal Tribuna do Sertão, Jornal Tribuna Alagoana. Sites: Alagoas Real (alagoasreal.blogspot.com), Painel Notícias ( painelnoticias.com.br), Tribuna do Agreste (tribunadoagreste.com.br) Tribuna do Sertão (tribunadosertao.com.br), Primeiro Momento (1momento.com.br) Resumo Político (resumopolitico.blogspot.com).

sábado, 2 de setembro de 2017


Culpa da imprensa?
Faltou maturidade ao governador Renan Filho ao criticar a imprensa alagoana, pela pauta negativa que tem sido constante, atingindo sua administração. E olhe que a mídia local, por motivos óbvios, tem sido bastante generosa na exploração dos fatos. Um exemplo que salta aos olhos foi a recente matéria do “Diário do Poder”, que levanta suspeita de desvios de finalidade no gasto de 10 milhões de reais, somente em uma locadora de carros de um amigo da família Calheiros. O assunto quase não foi tratado nos maiores veículos. Na verdade o governador tem tido uma comunicação capenga, ouve pouco e principalmente quem deveria ouvir. É muito ruim o sussurro dos áulicos palacianos, que covardemente apenas aplaudem, para agradar o chefe. Seria muito mais apropriado e aceitável o governador convocar uma coletiva e olhando nos olhos explicar de saída três assuntos que dominam a opinião pública o colocando em desaprovação: 1) a questão do rombo milionário na Secretaria de Saúde, 2) a situação de “estado de coma” do Hospital Geral do Estado, 3) a notícia sobre o espantoso pagamento de 10 milhões de locação de veículos a uma locadora. Nada a temer se tem a convicção que não errou. Passaria a pauta a limpo, tiraria as dúvidas e restabelecia a credibilidade em sua gestão atualmente sob desconfiança. Resta uma pergunta: Tem condições de fazer? Faça-o.
Gilmar Mendes solta o verbo
(BRASÍLIA) - O ministro Gilmar Mendes, que se encontra em Bucareste, participando de um evento internacional de Direito, enquanto aqui em Brasília ele é o assunto mais pautado, por suas decisões e opiniões contraditórias, concedeu por telefone uma entrevista polêmica ao jornalista Josias de Sousa, da Folha de São Paulo e afirmou que o pedido de suspeição que tenta afastá-lo do caso sobre o empresário de ônibus Jacob Barata Filho se baseia “num falso escândalo.” Para ele, o real objetivo da iniciativa do procurador geral da República Rodrigo Janot é fazer um “patrulhamento por concessão de habeas corpus.” Disse que o Ministério Público quer “botar medo nas pessoas que concedem habeas corpus”.
Sobre Rodrigo Janot
”Qual é a especialidade do Janot? Você não sabe. É direito constitucional? Não. É direito penal? Não. O maior ponto do currículo dele é ter sido presidente da Associação dos Procuradores”.
Podiam ter entregado a Procuradoria-Geral ao Vicentinho - deputado federal do PT, ex-sindicalista da CUT. (Ministro Gilmar Medes)
Sobre o Ministério Públlico
Basta olhar. É que as pessoas estão com poucos olhos críticos. No primeiro embate com uma massa de dinheiro, dois procuradores ficaram no chão (Ângelo Villela e  Marcello Miller). Isso considerando apenas o que a gente sabe. Ainda podem aparecer mais coisas. E vão aparecer. (Ministro Gilmar Mendes)
Sobre a Lava Jato
O que está acontecendo hoje é uma prisão sistemática. Na verdade, está começando antes. Se você olhar os casos da Lava Jato, as prisões estão começando antes da condenação na primeira instância. Se você olhar o Zé Dirceu, desde a prisão preventiva, ficou na cadeia. Marcelo Odebrecht, Gim Argello, Antônio Palocci e coisas do tipo. Então, você já tem até sentença e o cara continua preso. No fundo, o que nós dissemos que era segundo grau  transformou-se numa decisão de primeiro grau. Ou até antes disso. Não foi isso que o Supremo decidiu. (Ministro Gilmar Mendes).
Quintella & Beltrão
Alagoas não conta apenas com dois ministérios no governo de Michel Temer, mas diferente do passado tem na representação o peso de dois deputados federais, Maurício Quintella e Marx Beltrão, com total prestigio junto ao presidente da República que por gratidão e simpatia quer ver ambos muito bem colocados nas eleições do próximo ano. A dupla tem jogado bem e com vitórias alcançadas em todas as partidas da política e dos resultados em benefício de Alagoas. Maceió tem recebido atenção especial em várias áreas de desenvolvimento o que acontece também em grande número de municípios do interior. No decorrer do tempo, até o final do atual mandato presidencial, deverão acontecer investimentos de peso não apenas nos setores abrangidos pelos fortes Ministérios do Turismo e dos Transportes, Portos e Aviação Civil, como em áreas vitais como educação, saúde e desenvolvimento, nas quais o presidente Michel Temer já assegurou a ambos a disponibilidade total em ajudar Alagoas. Com essa banca toda Mauricio Quintella e Marx Beltrão serão os grandes contrapontos das eleições de 2018. Podem anotar.
Rodrigo Maia: O poderoso
(BRASÍLIA) - Mesmo substituindo Michel Temer, que está em missão oficial na  China, no comando do país, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tomou a frente das negociações sobre a reforma política, no vácuo de lideranças que marca a semana um tanto quanto esvaziada. Como Temer levou na comitiva presidencial o primeiro vice da Casa, Fábio Ramalho (PMDB-MG), sobrou para o segundo vice, André Fufuca (PP-MA), a missão de concluir a votação da reforma política, que se arrasta há meses sem ter alcançado qualquer consenso. Aos 28 anos e em seu primeiro mandato, Fufuca é visto pelos próprios pares como alguém sem a devida experiência para conduzir uma votação desse porte, e ficar à frente da missão. Resultado: Maia ocupa os dois espaços ao mesmo tempo (comanda o país e a Câmara).
Acumulando atribuições durante a semana, Rodrigo Maia utiliza a residência oficial da Câmara para se reunir com líderes partidários e discutir a pauta – uma tarefa que, em tese, caberia a Fufuca como presidente interino. Fufuca também participa das reuniões, mas, com papel secundário no jogo político, resta-lhe executar tarefas administrativas, enquanto os parlamentares mais experientes conduzem os trabalhos legislativos.
E assim Rodrigo Maia (O Botafogo das delações na Lava Jato) de repente se tornou o homem com maior poder no Brasil. E poder dobrado, feito tapioca.
Um aeroporto pra chamar de meu
O prefeito Gilberto Gonsalves, fez um apelo inusitado apelando para os ministros do Transporte e do Turismo (Mauricio Quintella e Marx Beltrão), ao prefeito de Maceió, Rui Palmeira e até à imprensa, para que “ ao se reportarem ao Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, frisar que o mesmo está localizado no Município de Rio Largo”. Vai ficar difícil, senhor prefeito atender a sua, até justa, reivindicação. Ninguém diz que ‘desceu no aeroporto de Guarulhos, mas em São Paulo, como também não é usual dizer “pousei no aeroporto de Confins”, mas Belo Horizonte. É uma questão de hábito e jamais mudará. Já imaginou um turista, ou mesmo em uma viagem a negócio o passageiro dizer: “Vou para Rio Largo” (nome de cidade que nunca ouviu nem falar)? Se contente prefeito em receber os tributos que cabem ao seu munícipio, por direito, mas jamais ouvirá a voz sonora do comandante dizendo: “Senhores passageiros estamos em procedimento de descida no Aeroporto Internacional de Rio Largo”. E para todos será sempre o Aeroporto de Maceió.

Conta Gotas

RENAN CALHEIROS é o campeão em numero de processos de denúncias por corrupção no STF. Palmas para Alagoas.

ELEIÇÕES EM ALAGOAS – 1978/2016 – Livro de Marcelo Bastos que será lançado hoje, às 19 h, no auditório da Associação dos Magistrados. Recomendo a leitura.

ALAGOAS, até que enfim, na pauta positiva da imprensa nacional, com a realização da Feira Literária do Pontal da Barra. Parabéns ao curador Carlito Lima.

Para refletir: “As polícias não podem resolver problemas sociais e de formação cultural”. (Ricardo Mota, sobre aumento da violência em Alagoas).


Coluna publicada no Jornal Extra, Jornal Tribuna do Sertão, Jornal Tribuna Alagoana. Sites: Alagoas Real (alagoasreal.blogspot.com), Painel Notícias ( painelnoticias.com.br), Tribuna do Agreste (tribunadoagreste.com.br) Tribuna do Sertão (tribunadosertao.com.br), Primeiro Momento (1momento.com.br) Resumo Político (resumopolitico.blogspot.com). 

domingo, 27 de agosto de 2017

Para refletir: “Ao conceder uma honraria a um condenado por roubar os cofres públicos, alagoas se expõe ao ridículo nacional”.

Tal pai, tal filho
Praticamente vi o prefeito de Maceió, Rui Palmeira, nascer. Estava com seu pai no interior (1976) quando tivemos que voltar às pressas, pois Suzana tinha entrado em trabalho de parto. Minha ligação com a família sempre foi muito próxima, independente de qualquer vinculo institucional que sempre mantivemos. Acompanhei de perto seu caminhar vitorioso pelas avenidas da vida. A infância e adolescência entre Maceió e Brasília, a vida acadêmica com louvor e especialização em Direito Tributário e Finanças Públicas e a sua vontade insistente em servir a Alagoas. Recebeu de berço os ensinamentos que moldaram o seu caráter, de pais que lhe transmitiram o vigor de um lar com dignidade, respeito ao outro e a honestidade como lema.
Em 2006 foi eleito deputado estadual obtendo 21.752 votos, sendo o primeiro colocado em sua coligação. Lembro que durante o seu mandato eclodiu o escândalo da “Operação Taturana”  que teria desviado R$ 302 milhões dos cofres da Assembleia Legislativa. Rui Palmeira foi um dos poucos parlamentares não envolvidos no escândalo, que resultou inclusive na prisão e no afastamento do mandato de deputados estaduais. E foi veemente defensor da apuração rigorosa dos fatos, mesmo diante da pressão dos envolvidos nos crimes apontados pelo Ministério Público. Teve um mandato atuante mesmo em um parlamento esfacelado.
Em 2010 optou por concorrer às eleições ao cargo de deputado federal tendo sido um dos mais votados, sendo o parlamentar alagoano mais jovem na história da Câmara dos Deputados. Teve um mandato brilhante e sempre voltado para o interesse público. Defendeu as Reformas Tributária e Política, em prol da desoneração do setor produtivo e do aperfeiçoamento do sistema político brasileiro, assim como também cobrou mais investimentos em Alagoas por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal. Sempre atuante e atento aos desvios de conduta de agentes públicos  votou contra a flexibilização e contra o segredo nas licitações das obras do governo preparatórias para a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, não compactuando com a alteração feita na Lei 8.666, contrariando o governo petista que muito queria essas flexibilizações, com o intuito de desviar verbas, como em outras obras. Ao concluir seu mandato foi considerado entre os vinte parlamentares com melhor avaliação no país.
Um político ético
Eleito e reeleito prefeito de Maceió (2012 e 2016) tem uma administração muito bem avaliada e mesmo com parcos recursos tem transformado a paisagem urbana e realizado obras significantes para a acessibilidade da população. Quer fazer muito mais e está bem perto disso com o incremento de recursos prestes a entrar nos cofres municipais.
Diferente da maioria dos administradores públicos brasileiros Rui Palmeira pode ser apontado como um político que preserva a ética e tem sempre suas ações voltadas para o interesse público. Não há quem aponte um ato seu que o desabone ou fira os princípios da moralidade no trato com a coisa pública. Cobra dos auxiliares idêntico cumprimento do respeito à legalidade e a moralidade dos seus atos. Em seu primeiro período de administração e no decorrer do segundo mandato não pode ser apontada a comprovação de nenhum escândalo. Coisa rara nos tempos de hoje.
Rui para o governo?
Ai está uma pergunta que por enquanto fica sem resposta. Sabe-se apenas uma coisa: é o nome mais temido pelo governador Renan Filho para o confronto nas próximas eleições. Ele confessa o seu desejo de continuar administrando Maceió e fazendo as transformações e avanços que prometeu e está cumprindo. Mas há um fato a ser considerado, que são as pesquisas o apontando em confortável posição em cidades do interior e a grande dianteira em Maceió, mesmo sem ter sua candidatura lançada ou admitida. As principais cabeças da oposição continuam insistindo na candidatura de Rui Palmeira. Mas por enquanto ele prefere não se adiantar. Certamente, como é uma de suas características, vai decidir na hora e lugar que ele mesmo escolher. Mas não pode demorar muito.
Histórias para mostrar
Supondo-se que Rui Palmeira decida ser candidato a governador a oposição avançará acelerado para conquistar a cadeira e a caneta hoje em mãos dos Calheiros. Sabe-se que o pleito de 2018 terá no embate o foco trazido pela Operação Lava Jato – o combate à corrupção - como o principal ingrediente da efervescência, com força maior até mesmo que as tradicionais promessas e propostas de governo. No seu palanque e nas suas aparições no Horário Eleitoral vão aparecer juntos Rui e o seu pai Guilherme Palmeira. Imaginemos o que dirá o apresentador: “Aqui está o candidato Rui Palmeira, um exemplo de político e administrador, ficha limpa, um grande prefeito da capital, com uma folha de serviços prestados, tem história digna de vida e origem exemplar. Ao seu lado está o pai Guilherme Palmeira, o político mais ético de Alagoas, deputado estadual, secretário de estado, governador, senador, prefeito de Maceió, ministro do TCU, uma personalidade inatacável, sua biografia o mostra como um dos mais influentes políticos do país, sua conduta o coloca na condição do político mais honrado da história de Alagoas”.
E os outros dirão o que?
Conhecendo eleições
Na próxima sexta feira, na Escola Superior da Magistratura, o professor e pesquisador político, Marcelo Bastos, estará nos brindando com o lançamento do seu livro “Eleições em Alagoas - 1978 a 2016. Trata-se de uma obra super recomendada não apenas para políticos, mas para profissionais , estudantes e quantos se interessem em conhecer os fatos e números da política alagoana nas últimas quatro décadas . O livro é uma narrativa real, isenta e feita por quem entende e se dedica ao estudo da ciência política em seus diversos contextos. O autor é um especialista na matéria e sabe , como poucos, mostrar os fatos e fazer uma análise dos acontecimentos. Marcelo Bastos,  que foi meu aluno de Direito Administrativo,  é um empreendedor de sucesso. Recomendo a leitura do seu livro.
Dose dupla
Ouvia de um especialista em política local a seguinte colocação: - A situação do governador Renan Filho só não é mais crítica nas pesquisas porque ainda não apareceu efetivamente uma candidatura de oposição. O previsível  desastre da figura comprometida do pai (Renan Calheiros) somado à marca negativa do anunciado aliado Partido dos Trabalhadores vai pesar muito e com certeza o combate a corrupção vai ser a tônica principal da campanha de 2018. É muito provável que o eleitor alagoano derrame sua ira indignada condenando os dois partidos, PMDB e PT a uma derrota fragorosa. Embora se saiba que em política nenhuma verdade seja verdadeira.

Conta Gotas

O FARSANTE Lula em sua verborragia trocou o nome da cidade de Penedo por “Toledo”. Falhou com a história e com o povo penedense. Efeito 51?
O DEMOCRATAS, partido que vem definhando a cada dia, mostrou esta semana uma propaganda no rádio e TV pífia, hipócrita e mentirosa.
AGUARDEM para breve um “furacão” na política alagoana. Pode mudar a cara e o corpo das eleições em 2018.
ALGUÉM tem noticia do inquérito que apura a fraude no Mestrado da UFAL, patrocinada por importantes agentes do governo estadual?
UNCISAL SUSPEITA. Assembleia quer acompanhar eleição para reitor, temendo fraudes.


Coluna publicada no Jornal Extra, Jornal Tribuna do Sertão, Jornal Tribuna Alagoana. Sites: Alagoas Real (alagoasreal.blogspot.com), Painel Notícias ( painelnoticias.com.br), Tribuna do Agreste (tribunadoagreste.com.br) Tribuna do Sertão (tribunadosertao.com.br), Primeiro Momento (1momento.com.br) Resumo Político (resumopolitico.blogspot.com). 

Para refletir: O STF vai sepultar a Lava Jato e enterrar o juiz Sérgio Moro. Quewm viver verá. A política matou meus sonhos Política...